Bom dia,

participou à fantástica solidariedade em volta da distribuição da ajuda alimentar de urgência : a equipa do site https://rennescovidsolidarite.info vos agradece muito por isso. Embora o stress e a importância do trabalho para fazer, passamos uns bons momentos juntos que vão ficar gravados em todas as nossas memórias.

O site que iniciou o trabalho na escola Volga foi o resultado da coordenação entre diferentes organizações que não eram especializadas nesse assunto.

Qual a razão pela qual associações, coletivas e sindicatos cujo o papel não era esse decidiram envolver-se na ajuda alimentar durante o confinamento?

  • Porque nem o Estado, nem a câmara ( que recebem os impostos do cidadãos e cujo a missão é de olhar pela segurança de todos) nada fizeram … ou muito pouco!
  • Porque perante a grande quantidade de chamadas de emergência, as organizações tradicionais da ajuda alimentar (Socorro Popular, Restaux du Cœur, Cruz Vermelha, etc.) já não conseguiam responder sós.
  • Porque é-nos insuportável, num país tão rico como a França e que pretende ser um exemplo em matéria de direitos humanos, saber que mulheres, homens e crianças passam fome.
  • Porque queremos uma sociedade mais justa onde cada qual possa encontrar os seu lugar ao sol.

Balanço dos dois últimos meses

A quantidade de pessoas que foram ajudadas foi avaliada mais ou menos 5000 a partir do site internet e da única escola Volga ( quantia a que temos de adicionar o número de pessoas a quem foi entregue pacotes a partir da escola Trégain do Socorro Popular, os Restaurants du Cœur, da Cruz Vermelha, das associações de bairro, etc.). O Estado nada fez para a ajuda alimentar e a câmara não fez mais do que emprestar os locais das duas escolas à associações para organizar a distribuição.

Porque rasão a ajuda alimentar a partir da escola Volga acabou no dia 5 de Maio?

O município de Rennes, como vocês sabem, retomou no dia 6 de Maio as duas escolas que nos tinham emprestado durante os dois meses.

Qual é a posição dos organizadores do site?

Visto o confinamento acabar no dia 11 de Maio :

  • Muitos dos voluntários são obrigados a retomar o trabalho. Já não têm o tempo para coletar os alimentos, de desinfetar, de preparar os pacotes nem de os distribuir : é um trabalho de 6 dias sobre 7 e de 12 horas por dia no mínimo, para equipas de 20 pessoas no mínimo por dia.
  • Nós estimamos que agora das autoridades têm de assumir as suas responsabilidades.
  • Nós continuamos a pensar que a distribuição ao domicílio é a melhor solução : por rasões sanitárias, em primeiro lugar, e porque, para os beneficiários, saír é correr o riso de ter uma multa, ou mais ser ameaçado de expulsão por não ter documentação legalizada.

Por este motivo já não vai haver inscrições possíveis no site para efeito dos pedidos de ajuda porque já não podemos responder a esses pedidos seguindo os padrões que achamos adequados (desinfeção de todos os alimentos e distribuição ao domicílio).

Porque sabemos que a pobreza nascida na crise não vai parar amanhã, nós exigimos que :

  • A câmara e o Estado empreguem pessoal para tomarem o lugar dos voluntários.
  • Ajudas financeiras sejam imediatamente atribuídas à pessoas que precisam.
  • Que as associações tradicionais de distribuição alimentar ( Socorro Popular, Restaux du Cœur, Cruz Vermelha, o Banco Alimentar, etc) recebam subvenções que cobrem as suas necessidades.
  • Que elas recebam ajuda para criar centros de distribuição de proximidade em todos os bairros da cidade, como o reclama o Socorro Popular.

Convidamos os beneficiários da ajuda alimentar a chamar a atenção às autoridades por telefone, por mail, também o pode fazer a través :

  • A prefeitura (DDCSPP : 02 99 59 89 00 – ddcspp@ille-et-vilaine.gouv.fr)
  • Município de Rennes (02 23 62 10 10 – ville.rennes@ville-rennes.fr)
  • CCAS (02 23 62 20 50 – diap@ccasrennes.fr)

Devemos dar a conhecer a realidade :

E agora?

A câmara, em conjunto com a associação Coeurs Résistants, abriu o ginásio da Courrouze para as distribuições alimentares, 6 allée Florence Artaud, autocarro 6.

  • Este centro funcionará como um mercado gratuito.
  • Devera fazer fila : por enquanto não se faz marcações.
  • Nenhum justificativo de rendimento será exigido.
  • Por já, os beneficiários poderão vir se abastecer a partir de segunda-feira dia 11 de Maio às 14h, e depois cada dia da semana das 10h às 16h.

E amanhã?

Por volta do dia 24 de Maio, as pessoas que estão atualmente confinadas nos hotéis por conta do Estado poderão ser despojadas : exige-mos a requisição de imóveis vazios para as abrigar!

Se assim o desejar, a interorganização pode continuar a o informar : nesse caso, não hesite a nos enviar um mail. (Se não desejar receber informações, agradecemos que nos avise)

Para efeitos de contacto : contact@rennescovidsolidarite.info

Força para todos, tomem bem conta de si e… até breve talvés?
O coletivo de associações do site rennescovidsolidarite